A arte de harmonizar queijos e vinhos

                                            
A Harmonização é reconhecidamente uma arte.
Muitos se especializam em harmonizações de diferentes alimentos e bebidas, fazendo
deste um mercado cada vez mais promissor, refinado e sofisticado.

Um dos alimentos mais presentes nas
harmonizações, em todo o mundo, é o queijo. Eles são harmonizados com
diferentes tipos de bebidas como vinhos, cervejas, whiskys e outras. Mas se a harmonização
é uma arte, seu aprendizado não acontece de uma hora pra outra. É preciso
tempo, estudo e principalmente muitas degustações.

Dicas iniciais para a harmonização do
queijo com o vinho.

A primeira questão será: a harmonização
será feita no início ou no fim da refeição? Os queijos usados em harmonizações
antes das refeições não são ser os mesmos que aparecem quando ela acontece no
final. E o mesmo acontece com os vinhos. Com certeza, esta combinação não é
fácil porque existe uma quantidade infinita de queijos diferentes, cada um com
as suas próprias características. Na verdade, este fato não deve nos
desencorajar considerando que o queijo é um alimento que vai bem com vinho e
podemos até pensar em arriscar algumas combinações sem hesitação.

A segunda questão é se lembrar de que
queijos e vinhos devem ser capazes de proporcionar cada um suas sensações
perceptíveis. Por isso o sabor do queijo não deve cobrir o do vinho, nem o
contrário. Por exemplo, um vinho tinto encorpado certamente não combina com um
queijo leve como a muçarela. Ou se tentarmos um vinho branco suave ele se
perderá no paladar de um queijo picante tipo provolone.

Também é importante lembrar que depois de
pratos que exigem uma harmonização com vinhos tintos importantes e com uma boa
estrutura, deve-se seguir a refeição optando por queijos que combinem com os
vinhos já degustados.

Trouxemos quatro dicas bem práticas para
você não errar nesta arte:

1: Queijos frescos ou de pasta mole
(muçarela, muçarela de búfala, minas frescal, ricota, queijo coalho, brie)
combinam com vinhos brancos, suaves e levemente aromáticos.

2: Queijos de média maturação (prato,
meia-cura, cheddar) são adequados para vinhos tintos leves e levemente
frutados.

3: Queijos de pasta dura e de maturação
longa (parmigiano, provolone, pecorino) servidos como aperitivos ou fora da
refeição devem ser combinados espumantes secos, mas se são servidos como último
prato estes queijos combinam bem com os grandes vinhos tintos.

4: Queijos azuis (gorgonzola, roquefort,
stilton) vão bem com vinhos tintos frisantes e ainda melhor com vinhos brancos
aromáticos.

A Harmonização é reconhecidamente uma arte. Muitos se especializam em harmonizações de diferentes alimentos e bebidas, fazendo deste um mercado cada vez mais promissor, refinado e sofisticado.

Um dos alimentos mais presentes nas harmonizações, em todo o mundo, é o queijo. Eles são harmonizados com diferentes tipos de bebidas como vinhos, cervejas, whiskys e outras. Mas se a harmonização é uma arte, seu aprendizado não acontece de uma hora pra outra. É preciso tempo, estudo e principalmente muitas degustações.

Dicas iniciais para a harmonização do queijo com o vinho.

A primeira questão será: a harmonização será feita no início ou no fim da refeição? Os queijos usados em harmonizações antes das refeições não são ser os mesmos que aparecem quando ela acontece no final. E o mesmo acontece com os vinhos. Com certeza, esta combinação não é fácil porque existe uma quantidade infinita de queijos diferentes, cada um com as suas próprias características. Na verdade, este fato não deve nos desencorajar considerando que o queijo é um alimento que vai bem com vinho e podemos até pensar em arriscar algumas combinações sem hesitação.

A segunda questão é se lembrar de que queijos e vinhos devem ser capazes de proporcionar cada um suas sensações perceptíveis. Por isso o sabor do queijo não deve cobrir o do vinho, nem o contrário. Por exemplo, um vinho tinto encorpado certamente não combina com um queijo leve como a muçarela. Ou se tentarmos um vinho branco suave ele se perderá no paladar de um queijo picante tipo provolone.

Também é importante lembrar que depois de pratos que exigem uma harmonização com vinhos tintos importantes e com uma boa estrutura, deve-se seguir a refeição optando por queijos que combinem com os vinhos já degustados.

Trouxemos quatro dicas bem práticas para você não errar nesta arte:

1: Queijos frescos ou de pasta mole (muçarela, muçarela de búfala, minas frescal, ricota, queijo coalho, brie) combinam com vinhos brancos, suaves e levemente aromáticos.

2: Queijos de média maturação (prato, meia-cura, cheddar) são adequados para vinhos tintos leves e levemente frutados.

3: Queijos de pasta dura e de maturação longa (parmigiano, provolone, pecorino) servidos como aperitivos ou fora da refeição devem ser combinados espumantes secos, mas se são servidos como último prato estes queijos combinam bem com os grandes vinhos tintos.

4: Queijos azuis (gorgonzola, roquefort, stilton) vão bem com vinhos tintos frisantes e ainda melhor com vinhos brancos aromáticos.